Sejam Bem Vindos ao Blog Twilight A Saga Contínua!!! Comentem As Fics!

Capitulo 36 - Começo do Fim

Edward e eu estávamos deitados na clareira. Era um dia de sol – um dos poucos em Forks. Ele estava deitado olhando para mim, seu olhar traia suas emoções: dor, desejo, amor e adoração.
Estávamos olhando um para o outro, tentando controlar nossa respiração um pouco ofegante. Era o único som que preenchia o silêncio onde antes só se podia ouvir os sussurros dos nossos lábios. Ele se afastou de mim bruscamente, quando em um momento de excitação tocou meu corpo. Essa era sua reação involuntária sempre que ele deixava se levar pelo momento – Décadas evitando qualquer tipo de contado físico não o deixa relaxar quando estávamos assim.
_Edward... – Eu realmente não sabia o que dizer. Há poucos minutos atrás estávamos abraçados nos beijando no auge da paixão que sentíamos um pelo outro e agora aqui, deitados no chão sem nos tocarmos – como se fosse errado o que fazíamos.
_Me desculpe, Bella... Eu realmente não posso. — disse de maneira controlada. Sua mandíbula contraída, seu olhar duro.
Olhei para o outro lado, tentando reprimir minhas lágrimas e engolir o nó da minha garganta – A dor da rejeição foi forte dessa fez.
_Me diga o que está pensando. — falou, tocando de leve minha mão.
Só balancei a cabeça. Não sabia se conseguiria falar, minha vontade era de sair correndo daqui e nunca mais olhar para ele de tanta vergonha. Cerrei forte meus dentes, porém, por mais que me esforçasse, senti uma lágrima traiçoeira descendo miseravelmente por meu rosto e tocando meu lábios.
_Você está chorando? – ele perguntou perplexo, já ao meu lado espalhando a lágrima pelo meu lábio inferior. – Bella, me desculpe se magoei seus sentimentos. Eu só não consigo... – falou de maneira sincera.
Eu acreditei que ele realmente sentia, apenas não mudava o fato de não me querer como mulher.
_Bella... Fale comigo, por favor.
_O que... — Minha voz saiu meio rouca. Pigarreei. – O que quer que eu diga? –perguntei amuada.
Ele ficou me olhando por um tempo, depois olhou para a floresta – seu rosto soturno.
_Desculpe-me não poder te dar mais que isso.
_Esse é o problema, Edward! Você pode me dar e está me negando. – Não era minha intenção, mas minha voz saiu carregada de frustração e ressentimento.
_Você não sabe o que está falando – falou de maneira rude. – Pela milésima vez, Bella: eu poderia te matar. É tão difícil entender isso?!
_É impossível entender. Sabe por quê? – falei, quase gritando. – Porque eu não acredito que possa me matar enquanto faz amor comigo. E além do mais, você não sabe mais que eu do que está falando.
_Exatamente. Não sei do que estou falando e é por isso que não vou te expor a esse risco.
_Antes você também acreditava que se, ao menos, me beijasse me quebraria em cacos, e agora você vê que não é assim. – Argumentei – Ou talvez não queira se expor a esse risco, não é mesmo? – De novo não consegui controlar a acusação na minha voz.
_O que quer dizer? – perguntou, puxando meu queixo em sua direção para me olhar nos olhos.
Arrependi-me na hora de ter dito isso. Sabia que não faria bem algum para meu ego ter certeza absoluta de que ele não me desejava como mulher.
_Nada, não estou dizendo nada. – Forcei meu rosto para baixo, mas ele continuou o segurando e me fitando nos olhos, tentando ler minha mente.
_Acha que não quero você? – perguntou incrédulo.
Não respondi e ele percebeu o significado do meu silêncio.
_Bella, você é tão absurda! É claro que eu te quero também, sua garota boba, linda e supersensível. Mas não vê que é arriscado demais?
Fiquei calada um tempo, digerindo suas palavras. Então ele me queria, só estava realmente com medo de me ferir – o que eu sabia que não aconteceria, afinal não iríamos brincar de luta livre, não é mesmo? Então um novo curso se passou por minha mente e me aproximei dele, ficando de joelhos na sua frente.
_Por favor, Edward, me ouça por um momento. – falei, minha voz cheia de bajulação. – Por favor, não há nada mais no mundo que eu queira além de você... E se você também me quer, eu não vejo porque não tentarmos... Não precisa me prometer nada, tá legal? – Ele estava balançando a cabeça, negando minhas argumentações, então mudei de tática sabendo que ele não resistiria à oportunidade de me dar algo que eu pedisse. – Você me perguntou o que eu queria de presente de aniversário, não foi? Eu quero você... Vai me negar isso? Vai me negar algo que eu quero tão desesperadamente?
Edward me olhou estreitando os olhos, enquanto eu o abraçava pelo pescoço, beijando-o de leve. Ele correspondeu, mas não da maneira que eu esperava – parecia apenas fazer para não magoar meus sentimentos.
_Por favor... – sussurrei, meus lábios nos seus e na minha voz, toda a necessidade que eu sentia no momento de ser dele. - Por favor, vamos só tentar... Por favor. – Minha voz falhou.
Quando ele ouviu minha voz falhar se redeu com um gemido enquanto capturava meus lábios, rolando gentilmente e me apertando na grama.
_Não imagina o quanto isso é insuportável, Bella... Tentar te negar algo quando me pede desse jeito. – Não falei nada com medo que ele mudasse de idéia.
Ele me beijou por mais um momento. Eu podia sentir que ele estava quase desistindo – seu beijo era sofrido, lento e quase desesperado. Tirei minhas mãos dos seus cabelos e passei por seu peito, por baixo da sua blusa, sentindo-o estremecer mediante ao meu toque.
Eu não sabia o que fazer, ainda mais porque estava meio incoerente, sem saber direito meu nome já que ele traçava beijos por todo meu pescoço. Continuei sentindo os contornos do seu peito perfeito com as mãos até suas costas.
Edward voltou a beijar meus lábios enquanto tirava seu casaco e gentilmente me sentava de frente para ele – Seus olhos pareciam ouro liquido. Ele tirou minha blusa de tricô, deixando-me apenas de camiseta, e com um movimento rápido tirou também minhas calças – fazendo tudo olhando fixamente nos meus olhos.
Edward pegou seu casaco e passou pelos meus ombros, eu não entendi direito mais o vesti sem reclamar. Quando terminei de passar os braços pela manga do casaco – que ficava quase como um vestido em mim – percebi que ele já estava sem camisa.
Ele continuou me olhando nos olhos enquanto me deitava de novo não chão – só de calcinha e blusa – beijando de leve meus lábios e pescoço. Muitas vezes eu via que ele segurava a respiração e apertava a mandíbula.
_Se eu te machucar... Se for demais para você... – Edward sussurrou no meu ouvido, de repente sua voz perturbada. – Tem que me dizer imediatamente.
Assenti.
_Não tenha medo, nós pertencemos um ao outro. – disse, beijando-o e passando as pernas em volta do seu corpo. Ele soltou um leve gemido quando fiz isso.
Suas mãos começaram a passear pelo meu corpo sem inibição alguma, devagar como se memorizasse cada curva, cada imperfeição. Seu toque me fez entender porque ele colocou o casaco em mim – sob o sol da tarde, seu corpo estava especialmente gelado e o clima de romance não duraria muito se eu começasse a bater os dentes de frio.
No momento isso não era nem necessário. Seu toque fazia a minha pele queimar, deixando rastros de calor por onde passavam — era como se cada terminação nervosa do meu corpo fosse um fio elétrico desencapado.
Edward desceu seus beijos até meu colo, onde ele acariciava meus seios por cima da blusa, fazendo-me gemer. Soltei um gemido de sobressalto quando ele, com um movimento fácil, rasgou minha blusa e beijou meus mamilos.
Edward me segurava pelo quadril, com um dedo enrolado na lateral da minha calcinha enquanto beijava meus seios – Era enlouquecedor sentir sua língua gelada pelo meu corpo. Eu tentava me mexer, mas ele segurava meu quadril, com força, para baixo.
Puxei seus cabelos, o trazendo para cima - ele não sentiu, claro, mas atendeu ao meu movimento – e o beijei, explorando sua boca com a língua como ele nunca permitiu que eu fizesse.
Assim que aprofundei mais o beijo, ouvi seu gemido de antecipação, pelo barulho da minha calcinha rasgando. Meu coração parecia que queria pular do meu peito, era tão alto que me deixava constrangida – não constrangida o suficiente para não soltar praticamente um grito de prazer quando sentir seus dedos tocarem meu sexo. Eu não conseguia mais controlar. Gemia como uma louca quando ele começou a me estimular e, logo depois, introduziu um dedo em mim.
As raras vezes que abria os olhos, encontrava Edward me olhando – seus olhos brilhantes de excitação desejo e dor, a dor da sede estava nas linhas do seu rosto. Sentindo-me culpada por isso, desci minhas mãos lentamente por seus corpo até chegar no cós da sua calça, tentando provocar nele também sensações de prazer.
Sua ereção apertava minha virilha, mesmo através da roupa. Edward aumentava seus movimentos no meu sexo e com isso tive que me concentrar primeiro em respirar antes de fazer o que eu queria. Abri sua calça com um pouco de dificuldade.
Assim que toquei seu membro ele gemeu alto – mais alto até agora e deu uma leve mordida no meu mamilo enquanto introduzia mais um dedo em mim, e com o polegar fazia leves movimentos no meu clitóris.
Apertei a base das suas costas, mordendo o lábio para não gritar de tanta excitação, enquanto um calor se apoderava do meu corpo – começando pelo centro e se espalhando, ficando mais forte até parecer explodir quando senti-me desfalecendo em um orgasmo intenso e incrível.
Abri os olhos, sentindo meu corpo relaxado e uma leve sensação de prazer pulsar através do meu sexo, encontrando o olhar cheio de luxúria de Edward. Ele parecia estar no mais puro êxtase enquanto me olhava. Corei quando os minutos se passaram e ele continuava me olhando fixamente.
_Nunca pensei que algum dia você ficaria mais linda do que já é. – sussurrou no meu ouvido e continuou a descer beijos por todo meu corpo, até os meus joelhos.
Eu ainda estava sem fala, já sentido meu corpo desejoso de novo quando ele deu um leve beijo na minha virilha, antes beijar meu sexo. As sensações que tive quanto ele fez isso foram indescritíveis – parecia que iria enlouquecer a qualquer momento.
Puxei Edward novamente para cima e continuei o que tentava fazer antes. Toquei seu membro por cima da cueca – nem vi quando tirou a calça – e ele me apertou um pouco mais na cintura, gemendo no meu ouvido.
Ainda um pouco inibida, beijei seu pescoço e sussurrei:
_Me coloca em cima de você.
Eu perdi todo o movimento – pisquei e quando vi, estava sentada em cima dele com uma perna de cada lado, com os olhos de Edward fitando cada parte do meu corpo, que agora estava completamente exposto para ele.
Comecei beijando seu pescoço e descendo por seu abdômen com os lábios e as mãos – eu não sabia se ele sentiria tanto prazer com meu toque como senti com o seu, mas seus gemidos ficando cada vez mais agudos davam uma boa ideia da resposta.
Assim que toquei seu membro, ele apertou um pouco minhas pernas. Eu gemi de prazer desejando que ele me apertasse mais, até que eu explodisse de novo.
Toquei-o devagar para que ele aproveitasse cada toque, cada carícia que eu fazia – minha excitação crescia à medida que o tocava, sentindo suas mãos passear pelo meu corpo, me apertando e enviando ondas de desejo cada vez fortes e difíceis de controlar – meu corpo pedia por mais.
Eu o tocava e gemia com seu toque. Isso pareceu ser demais para ele também e novamente, com um movimento que eu perdi, ele estava em cima de mim – apoiado no cotovelo para que eu não sentisse seu peso.
Abriu minhas pernas com as suas e com um movimento rápido me penetrou. O meu grito foi mudo, porque ele abafou com um beijo, fazendo novamente um movimento com o quadril. Senti uma dor aguda e o gemido que saiu dos meus lábios foi de extremo desconforto.
Dessa vez Edward pareceu perceber e seu corpo parou em cima do meu – ele estava incrivelmente tenso. Eu não podia ver seu rosto, pois estava escondido no meu pescoço, mas sua respiração estava forte e suas mãos fechadas em punhos ao meu lado. Isso disse tudo que eu precisava saber: ele ia desistir porque achou que tinha me machucado.
Passei meus braços por seu pescoço, ainda sentindo sua imobilidade – ele parecia uma estátua – e movimentei meu quadril. Edward gemeu – foi um gemido dolorido, sofrido – mas ainda não se moveu.
Passei minhas pernas novamente por sua cintura e fiz mais um movimento de encontro a ele. Ele gemeu novamente, um som vindo do fundo da sua garganta. Continuei a me movimentar, o chamando – gemendo o nome dele, na verdade. Ele não respondeu, então desisti, beijando seu pescoço.
Depois da dor inicial eu não estava preparada para as novas sensações que vieram: Era um misto de um prazer quente, dolorido, intenso e ao mesmo tempo insuficiente.
Comecei a me mover mais rápido, sendo guiada pelo meu próprio ritmo, seguindo as sensações que meu corpo ditava. Abri meus olhos – nem tinha percebido que estavam fechados – e Edward me olhava intensamente. Seu rosto estava consumido por um desejo feroz e pela primeira vez ele se pareceu com um predador para mim.
Ele capturou meus lábios com voracidade, levantando meu quadril com uma das mãos e me penetrando mais fundo. Gemi seu nome e palavras incoerentes quando seu ritmo ficou mais forte – com sua mão ainda sustentando meu corpo era impossível me mexer como eu queria, tornando tudo mais excitante para mim por ele me tomar da sua maneira, sem medo ou hesitação.
Suas mãos foram para meu rosto enquanto ele me beijava, me apertando contra o chão – seu ritmo e movimentos ficando mais intensos e profundos. Edward gemia palavras em idiomas que me eram desconhecidos – só conseguia entender meu nome no meio delas. Mesmo se ele falasse inglês eu não saberia, minha atenção estava dispersa pela onda de prazer que crescia e espalhava pelo meu corpo, mais forte que antes, dessa vez completa e chocante.
Mordi meus lábios e Edward continuou a sussurrar com sua boca encostada na minha.
_Abra os olhos, Bella. – falou, sua voz rouca e sofrida como cada toque que ele havia me dado hoje.
Eu imaginava o esforço Herculano que ele fez para me dar o que pedir...
Meus pensamentos foram interrompidos por seu gemido alto, e o calor que espalhava pelo meu corpo explodiu enquanto olhava em seus olhos e pela primeira vez, em muito tempo, me senti completa.
Ficamos deitados por um tempo, mas logo começou a chover e ele me levou para casa. Correu comigo em suas costas em um silêncio confortável. Talvez, assim como eu, ele estivesse absorvendo tudo que aconteceu.
Chegamos em casa e minutos depois ouvi a viatura de Charlie parando no acostamento.
_Volto daqui a pouco. – disse Edward, dando-me um beijo na testa e desaparecendo no mesmo segundo pela janela da cozinha.
Fiquei nervosa, de repente, quando ouvi a porta se abrindo. Se olhasse no espelho tenho certeza que meu rosto estaria corado e brilhante, sem mencionar que eu também eu estava vestida apenas com a blusa de tricô – sem camiseta por baixo. Será que Charlie perceberia?
_E aí garota, como foi seu dia? – perguntou, jogando os peixes na pia.
_Bom. – Tentei controlar o entusiasmo, não seria legal se eu começasse a cantar e dizer que tinha sido maravilhoso, lindo e indescritível. – Edward e eu fizemos uma caminhada... Pra aproveitar o dia de sol.
_Os peixes também aproveitaram o sol. – Charlie falou sorrindo e apontando para o monte de peixe que ele havia pescado.
_Humn. – Limitei-me em assentir, era melhor ficar calada. Não estava conseguindo nem parar de sorrir; a cada segundo ia acabar falando merda.
Fiz o jantar de Charlie mais feliz que nunca – feliz e impaciente. Os minutos pareciam se arrastar até a hora que Edward chegasse de novo.
Charlie me olhou algumas vezes franzindo a testa enquanto eu ficava olhando no relógio de cinco em cinco minutos, mas não disse nada.
Toc,toc.
Pulei da cadeira e quase caí na pressa de abrir a porta. Tirei a porta do caminho – ridiculamente ansiosa – e lá estava ele: o meu milagre pessoal. O tempo não me fez imune à perfeição do rosto dele, e eu tinha certeza de que nunca iria me acostumar com nenhum de seus aspectos.
Estendi minha mão e suspirei quando os dedos frios dele encontraram os meus. Seu toque trouxe a sensação mais estranha de alívio – como se eu estivesse sentindo dor e essa dor houvesse cessado de repente.
_Oi.
Edward ergueu as nossas mãos entrelaçadas pra tocar a minha bochecha com as costas da sua mão.
_Como foi o resto da sua tarde?
_Lento.
_Pra mim também.
Ele puxou o meu pulso para o rosto dele – nossas mãos ainda entrelaçadas. Seus olhos se fecharam enquanto o nariz dele alisava a pele de lá, e ele sorriu gentilmente sem abri-los.
_Como vai Edward? – Charlie perguntou enquanto se aproximava. Edward abriu os olhos e deixou as nossas mãos caírem, mantendo-as entrelaçadas.
_Bem,obrigado.
Ficamos sentados na sala com meu pai até o horário que Charlie havia estipulado anteriormente – por eu ter saído de casa na primavera passada, quando James me caçou. Não conversamos muito, apenas ficamos de mãos dadas olhando nos olhos um do outro.
Assim que Edward foi embora fiquei mais um pouco na sala e depois limpei a cozinha. Impaciente de novo.
_Bom já está tarde. Boa noite, Bells. – Charlie falou, tirando-me dos meus devaneios.
Olhei o relógio e já eram onze horas. Dei boa noite por sobre o ombro enquanto corria para o banheiro tomar banho. Em breve Edward chegaria.
Devo ter tomado o banho mais rápido da minha vida inteira; tirei a roupas correndo – ainda no escuro – e quando achei o interruptor a lâmpada tinha queimado. Entrei no chuveiro aos tropeços sem que a água ainda estivesse quente. Joguei shampoo no cabelo e comecei a me ensaboar na mesma hora.
Enquanto enxaguava o cabelo escovei os dentes – tudo ao mesmo tempo. Acabei e me enrolei na toalha.
_Droga. – murmurei. Eu tinha esquecido meu pijama.
Abri um pouco a porta e Charlie já estava roncando. Entrei rápido no quarto. Quando me virei, dei de cara com Edward deitado na minha cama, como se estivesse sonhado – de olhos fechados e um sorriso no rosto.
Ele sentou com um movimento rápido quando dei mais um passo em sua direção. Fiz cara feia para ele – Edward não perdia a mania de me assustar com esse movimentos súbitos.
Diferente do que imaginava, ele não riu de mim como sempre fazia, ele estava olhando para meus braços e depois para minhas pernas – que ficaram a mostra por causa da toalha que eu ainda estava usando.
Na pouca luminosidade do quarto senti um medo terrível – embora odiasse admitir – vendo sua expressão. Era furiosa, mais que furiosa, era homicida. Eu não segui seu olhar para ver o que provocou essa reação, continuei olhando para ele chocada com a raiva que continha no seu rosto.
_Edward... – engasguei.
Ele nada disse, apenas andou até mim com movimentos lentos e controlados, suas mãos cerradas em punho, sua mandíbula contraída. Parou de frente para mim, há alguns centímetros de distância.
_Bella, qual a extensão dos seus ferimentos? - perguntode maneira urgente.
_Ferimentos? – questionei.
Do que ele estava falando?
_Não tente atenuar a situação. Qual a extensão dos seus ferimentos? – falou, demonstrando raiva.
_Edward! Que situação? Que ferimentos? – perguntei um pouco alto demais e tentei moderar a voz. – Do que está falando? Eu não entendo... Por que você está aborrecido?
_Pare com isso!
_Para com o que? – perguntei irritada, cruzando os braços.
Ele não respondeu de imediato. Afastou-se um passo e gentilmente descruzou meus braços, e, me surpreendendo, soltou minha toalha. Seus olhos passaram por meu corpo nu apenas por um segundo e ele ofegou virando de costas para mim. Depois, finalmente, respondeu minha pergunta, com uma voz restringida – ele falava entre dentes.
_Pare de agir como se eu não fosse um monstro por ter concordado em fazer amor com você.
_Não diga isso. – murmurei ainda meio em choque com toda essa situação que para mim não fazia sentido algum.
Não estava entendendo nada! Porque se arrepender... Foi tudo tão perfeito!
Edward se virou para mim, fechando os olhos.
_Olhe para si mesma, Bella, e me diga que não sou um monstro.
Olhei para mim meio atordoada – e envergonhada por está discutindo com ele completamente nua. Continuei confusa, o quarto estava escuro eu não via nada de diferente e mesmo que ligasse a luz não teria nada para ver!
Edward ainda estava de olhos fechados como se não suportasse me olhar .
_Você comeu comida de humano?
_Comida de humano? – perguntou impaciente, abrindo os olhos.
_Só pode ser isso. Se não foi... Você está louco! Do que está falando?
_Olhe, Bella! - Ele praticamente rosnou, acendendo a luz e no mesmo segundo pegou minha mão – muito cuidadosamente – e esticou meu braço. – Olhe pra isso!
Dessa vez, eu vi o que ele queria dizer: grandes machucados roxos estavam começando a aparecer na pele pálida do meu braço. Meus olhos seguiram a trilha que eles faziam até os meus ombros, e depois para baixo – nas minhas costelas, quadris e pernas.
Eu tentei lembrar disso – tentei lembrar da dor –, mas não conseguia. Eu não conseguia lembrar do momento em que ele me segurou com força demais, com suas mãos duras demais contra mim. Eu só me lembrava de querer que ele me abraçasse com mais força, e de estar satisfeita quando ele fez isso.
_Eu... lamento, Bella. – Edward sussurrou enquanto olhava os meus machucados. – Eu devia saber. Eu não devia ter ... – Ele fez um som baixo, revoltado, no fundo da sua garganta. – Eu lamento mais do que consigo dizer. – Disparou até a cama, se sentando e colocando o rosto entre as mãos.
_Edward. – Ele não respondeu – Edward? – Sem resposta de novo.
Sentei-me do lado dele e toquei seu cabelo.
_Nós sabíamos que isso poderia ser complicado. Eu pensei que você soubesse disso. E também... Bem, foi muito mais fácil do que eu pensei. E isso realmente não é nada – Passei os dedos pelo meu braço. – Eu acredito que, para a primeira vez, sem saber o que esperar, nós fomos incríveis! Com um pouco de prática ...
De repente seu corpo ficou tão tenso que eu parei no meio da frase.
_Claro! Você esperava isso, Bella? Você estava esperando que eu fosse te machucar? Estava achando que podia ser pior? – falou, sua voz abafada por suas mãos – Considera esse experimento um sucesso porque conseguiu sair dele caminhando? Nada de ossos quebrados! Isso significa vitória?
_Eu não sabia o que esperar. Mas eu definitivamente não esperava que fosse tão... tão... tão maravilhoso e perfeito quanto foi.
_Mesmo que você se sinta dessa forma não muda o fato de ter sido errado! Esse também foi o melhor dia da minha existência. – falou tirando o rosto das mãos e olhando para mim. – Mas não quero pensar dessa maneira, não quando você está toda... – Seus olhos novamente passaram por meu corpo, seu rosto se retorceu e ele balançou a cabeça revoltado.
Edward levantou tirando seu casaco – como na clareira – e se ajoelhou na minha frente, passando-o por meus ombros e o fechando.
_Minha aparência é tão odiosa assim? – Eu perguntei, trabalhando para manter meu tom leve.
Ele prendeu a respiração, e olhou para a janela, provavelmente para esconder sua expressão de mim. Toquei seu rosto até que ele me olhasse.
_Não fique assim... Eu te amo.
_Eu sei. – disse ele dando um sorriso triste.
Inclinei-me para beijá-lo, mas ele afastou o rosto. Ficamos nos encarando por um longo tempo.
_Não vai mais me tocar. – Eu disse, e não era uma pergunta, estava claro em seus olhos sua decisão.
Ele acariciou meu rosto por um momento, enxugando as lágrimas que me escapavam.
_Nunca mais.



Autora: Nick_Fic



Comentário da Autora:“O começo do fim” é um bônus que escrevi quando minha cabeça estava cheia de safadezasidéias.

E esse bônus explica o principal momento da fic ou seja quando a Bella engravida da Ness e como o Ed reage ao ver os machucados dela.

9 comentários:

jenifer disse...

oi nick tudo bem !!!
olha nao endende pq vc repitiu a primeira vez
edward e de bella,é pra mostra como foi que ele partiu, aguardo sua resposta !!!!
e por favor nao demora posta a decisao de bella, se nao vou enloquece rsrsrsrs !!!!
beijoooooooooos......

Carla Black disse...

Nick minha linda, olha que eu já li várias fics, as cenas mais hots sempre são com o meu lobo castanho avermelhado, aliás que cenas..(para quieta que é melhor..kkkk)e ainda não tinha lido uma assim com o branquelo e a bella (olha quem fala, eu tambem sou branquela..kkk)e olha foi muito interessante, gostei muito vc mais uma vez está de parabens....e o legal é que conta como foi tudo e o porque de ele ter ido embora e ela engravidou e tals e ai a entrada do meu lindo lobo, quente, gosto e maravilhoso...

Gostei realmente desse capítulo bônus....Parabéns mais uma vez


LORYSBLACK E FERNANDA, BEIJINHOS MENINAS!!!!!

TEAM JACOB FOREVER!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

jusara disse...

que lindo Nick! ufffa!!! sou suspeita em dizer pois sou TEAM EDUARD,mais amei, Nick foi lindo a 1° vez da Bella e do Eduard na clareira o lugar mais romântico da saga ...aiiii o lobinho merece ser feliz, mais o Eduard também, e não vamos negar que Renesmee foi muito bem feita . Olha só ... já viu ou ouviu aleguem amar assim HUMMMMMMMMMMM
I LOVE EDUARD S2 FOREVER

jusara disse...

Ah gostei muito desse capitulo bônus Nick ,
vc está de parabéns, não me canso de estar lendo a sua fic ou seja nossa fic continue assim bjos amigas

lorysblack disse...

Aiii Nick poderia ter postado a primeira vez dela com o Lobo!!!!!rsrsrsrsrsrs
E achei legal mas ela perdeu a virgindade com o dedo dele rs!!engraçado vai!!!!!
Mas acho que isso explica muito bem algumas coisas!!!!!.....acho que o Gel....quero dizer o Ed mereça ficar com alguem desde que nessa fic não seja a Bella!!!!!

CARLA AMADA BJUS PRA TI TBM!!!!
fERNANDA PRA VC TBM CASO APAREÇA!!!!

nICK ANSIOSA COM O DESENROLAR!!!!!!!!!!

Dayana disse...

KKKKKK

A resposta é NÂO!
Eu não enlouqueci,escrever um bônus assim ,quando a fic está quase acabando,pode parecer loucura,mas como disse anteriormente minha cabeça estava cheia de coisinhas e eu precisava esvaziá-la.

Jenifer ,

querida ,na verdade não estou repetindo, esse bônus eu escrevi apenas para aliviar a tensão e na historia ainda não especificava como foi que a Bella perdeu a virgindade e nem porque o Ed largou ela ,então relaxa OK,já vamos voltar para a história.

Carla e Jusara

Fico feliz que vcs tenham gostado ,mas eu tenho a impressão que vc Carla, vai gostar mais do próximo capitulo do bônus que vc Jusara,rsrsrsr.
Muito obrigada pelos elogios.

Lory,
Hsrhshrshrhshrs,perdeu a virgindade com o dedo,rsrsrs,essa foi ótima.
Relaxa e espera o próximo capitulo que nele teremos Jake muito muito HOT.

Nick-Dayana

lorysblack disse...

A.L.I.V.I.O!!!!!rsrsrsrsrs

Nick eh que eu sou muitooo louca pelo LOBO e fico sempre Impaciente quando ele não aparece no cap.!!!!!!!rsrsrsrsrsrsrs
PS>NIck amada escritora vi um comments seu la atras sobre arrancar seus Belos cabelos rs por favor me diga que eh por esse post???rsrsrsrsrs

Fernanda disse...

AI ELE DEIXOU ELA POR ISSO???GOSTO MENOS AINDA DO QUE EU JA NÃO GOSTAVA RS!!!!!!

PREFIRO O LOBO!!!!!!SEMPRE E SEMPRE!!!!!!

NICK BOA A PERGUNTA DA LORYS PQ EU VOU KERER ARRANCAR SEUS CABELOS FLOR???RSRSRSRS!!
eU TBM ESPERO DE CORAÇÃO QUE SEJA POR ESSE POST QUE FOI HOT....POREM...CONTUDO....E NO ENTANTO RS...........NÃO ME ANIMOU TANTO ASSIM....SE FOSSE O LOBO RS(PAREI AKI EH MELHOR!!!!RS)

LORYS(BRUNINHA COMO EU TE CHAMO AKI MUIÉ?RS)
VC EH I.M.P.A.G.Á.V.E.L!!!!mas tem razão ela perdeu a virgindade com um dedo gelado mesmo rs!
e claro que eu apareço vc sabe que sim Mulher!!!

CARLA>>> bJÃO PRA TI TBM MULHER!!!!
SEMPRE AKI PELO LOBO!!!!!!!!

PODE TER CERTEZA QUE AONDE ESTIVER ALGUEM ESCREVENDO SOBRE O CASAL MAIS LINDO DO MUNDO EH CLARO BELLA&JACOB BLACK....LA ESTAREMOS NÓS!!!!!

TEAM JACOB SEMPRE!!!!!!!!

PS:NICK ESTOU MEGAAA ANSIOSA PELO CAP.HOT COM O LOBO VIU!!!!
ESCRITORA AMADA!!!!!!!!

Dayana disse...

Minha boca é um túmulo!!!

RSRSRSRS,gente eu não dou Spoilrs,rsrsrsr.


A "Flor do Ebano" sabe o que vai acontecer,se vcs quiser podem torturar ela ,porque eu ja me escondi faz muito tempo,ninguém me acha,rsrsrsr.

Eu sei que estou correndo perigo de morte com os próximos capítulos... e nem adianta perguntar que eu não falo mais nada!!


Nick-Dayana

Postar um comentário

Tecnologia do Blogger.